sábado, 19 de maio de 2012

Países em Londres- Hungria

A Hungria tem um dos esportes que está mais decadentes nos últimos anos. Na primeira metade do século, era uma potência olímpica, chegou a ficar em terceiro lugar em duas edições dos Jogos. Durante a Guerra Fria, apesar das disputas para se livrar do domínio Soviético, tinha as características do esporte dos países que faziam parte da cortina de Ferro e chovia medalhas por lá. Porém, desde 1992, o país não consegue ficar entre os 10 melhores do quadro de medalhas. E não será em Londres que conseguirá.

Em Pequim,foram três ouros, seis pratas e dois bronzes, no pior desempenho do país desde 1924. Nos Campeonatos Mundiais do ano passado, foram quatro ouros, quatro pratas e seis bronzes e a décima nona posição no quadro.

EM BUSCA DO TRI
O esporte mais popular e tradicional do país é o polo aquático. A seleção é simplesmente atual tricampeã olímpica e é uma das favoritas ao título em Londres e conseguiu a classificação com a medalha de bronze no último mundial, em Shangai,ano passado. Porém, esse bronze não significa que a equipe caiu de produção. Gergelry Kiss, Peter Biros, Zoltan Szecsi e Tomas Kasas podem se sagrar tetracampeões olímpicos.

NATAÇÃO
A natação húngara já esteve melhor, mas ainda tem ótimos nadadores. Gergo Kiss é um dos favoritos ao pódio nos 1500m. Nos 200m peito, o atual bicampeão mundial é Daniel Gyurta, que terá uma missão dificílima em Londres que será derrotar o bicampeão olímpico Katajima, que está numa forma incrível em 2012.

CANOAGEM
O país tem muita tradição na modalidade. São 19 medalhas de ouro e um total de 71 na história da competição. Atualmente, o país garimpa suas medalhas, mas não é aquele arrastão que era antigamente. O principal nome da delegação é Attila Vajda, campeão olímpico e mundial do c1 1000m. No feminino, a prova mais tradicional, o k-4, tem como a Hungria um dos principais favoritos.

BRASIL x HUNGRIA
O caso mais emblemático da disputa entre Brasil e Hungria é a prova dos 200m medley da natação. Lazlo Cseh foi medalhista em todas as principais competições nos últimos anos enquanto Thiago Pereira sempre em quarto lugar. É uma suposta briga direta pelo bronze, já que, a princípio, Lochte e Phelps lutam pelo ouro.
No judô,Eva Csernoviczki eliminou a então jovem de 17 anos Sarah Menezes na estreia da Olimpíada de Pequim. Quatro anos depois, Sarah é uma das favoritas ao pódio na categoria até 48kg, ao lado da própria Eva que segue entre as melhores mas é freguesa de Sarah e não é tão consistente quanto a brasileira.

Na série Países em Londres, vou analisar as pretensões dos principais países do quadro de medalhas. Quando necessário, vou juntas alguns países e apresentar regiões do mundo. Objetivo é chegar até o dia 27 de julho tendo falado ao menos UM POUCO de cada um dos países.

Países já analisados:
Grã Bretanha
Itália
Alemanha
França
Coreia do Sul
Argentina
Espanha
Irã
Romênia
Nova Zelândia
Balcãs- Servia,Montenegro,Croácia,Eslovênia,Albânia,Bosnia,Kosovo e Macedônia
México
Cone Sul- Paraguai, Uruguai e Chile
Grécia
Ucrânia
Países Bálticos- Letônia, Estônia e Lituania
Canadá
Malásia
Azerbaijão
Holanda

Siga o blog no twitter: @brasilemlondres

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário